Os SARMs estão ganhando muita fama pelo mundo, principalmente por prometerem ganhos em massa muscular e queima de gordura como esteroides anabolizantes, mas – pasmem – “sem” os efeitos colaterais.

Imagine que você está treinando pesado, fazendo dieta e descansando corretamente.

Contudo ver progresso está cada vez mais difícil e você ainda está longe do seu objetivo.

Você sempre considerou, mesmo que lá no fundo, o uso de esteroides, mas imediatamente lembra que se decidir trilar pelo “lado negro da força”, vai precisar também lidar com possível queda de cabelo, acne, atrofia testicular e outros efeitos colaterais.

Então, por acidente, você descobre os SARMs.

Substâncias que prometem amplificar os processos de hipertrofia e queima de gordura, sem os riscos dos esteroides anabolizantes.

É justamente o que você, e todos que algum dia entraram em uma academia na vida, sempre buscaram.

Mas até que ponto os SARMs realmente entregam os benefícios dos esteroides anabolizantes, e o melhor, sem os mesmos riscos ?

Neste texto faremos uma análise imparcial do que são SARMs, o que pesquisas mostram, seus reais riscos e benefícios.

Lembrando que é essencial que você leia o texto até o fim para evitar concepções incorretas sobre o tema.

O que são SARMs e porque usá-los  ?

“SARMs” é uma abreviação para selective androgen receptor modulators, ou em português literal, moduladores seletivos do receptor androgênico.

Eles pertencem a uma classe de substâncias que podem produzir os mesmos efeitos dos esteroides anabolizantes.

Mas agem de uma forma muito mais específica em receptores e tecidos pelo corpo.

De forma simplista, os sarms poderão produzir os seus efeitos diretamente nos músculos, ossos e células de gordura, enquanto na teoria deixam coração, próstata, fígado e outros órgãos em paz.

Como eles supostamente não são tóxicos para os nossos órgãos, o seu uso elimina a necessidade de usar outras drogas em conjunto.

Por exemplo: usando esteroides anabolizantes você também teria que usar drogas auxiliares para evitar efeitos colaterais.

Favorecendo ainda mais o uso de sarms em vez de esteroides.

Existem vários tipos de sarms no mercado, os mais comuns são:

  • MK-2866 ou GTx-024 (Ostarine);
  • LGD-4033 (Ligandrol);
  • LGD-3303;
  • GSX-007 ou S-4 (Andarine);
  • GW-501516 (Cardarine);

Você deve estar se perguntando “porque os códigos e números no nome ?”

Sarms foram criados com o objetivo de tratar doenças como anemia, fadiga crônica, perda de massa óssea e muscular, como uma alternativa mais saudável ao uso de hormônios esteroides.

Acontece que o uso de sarms não é aprovado para uso médico, não são comercializados oficialmente, logo não possuem nomes comerciais como deca ou durateston.

Por conta disso os nomes são “crus” e não passam do codinome que receberam em laboratório.

Enfim, praticantes de musculação buscam nos sarms uma alternativa mais segura aos esteroides anabolizantes, sem os efeitos colaterais.

Alguns fazem uso de esteroides anabolizantes em conjunto de sarms, com o intuito de gerar mais ganhos com menos colaterais.

Quais ganhos posso esperar de um ciclo com sarms ?

Esta é provavelmente a questão mais comum envolvendo sarms.

Antes de qualquer coisa, os poucos estudos sobre o tema (1) e os relatos dos próprios usuários mostram que os efeitos dos sarms não são tão potentes como os dos esteroides anabolizantes.

Na verdade, sarms poderiam ser considerados como uma versão (bem) mais fraca dos esteroides.

Com isto fora do caminho, os ganhos que poderão ser obtidos com eles dependerão diretamente do tipo de sarm usado, quantidade e tempo de uso.

Por exemplo, um estudo envolvendo uso de dosagens modestas do sarm MK-2866 durante 12 semanas, resultou em um ganho de 1,4kg de massa muscular e uma perda de cerca de 500g de gordura. Os envolvidos não treinavam ou faziam dieta.

Treinando pesado, fazendo dieta e usando doses maiores, você com certeza poderia ter melhores ganhos, mas ainda sim eles seriam modestos em comparação aos anabolizantes.

Em suma, sarms possuem um propósito semelhante aos esteroides anabolizantes, em termos de mudança corporal, mas dificilmente produzirão os mesmos resultados.

Sarms são realmente livres de efeitos colaterais ?

Dizer que sarms são esteroides anabolizantes sem efeitos colaterais é uma máxima mal utilizada.

Existem pouquíssimas evidências científicas sólidas a respeito do que os sarms podem causar a curto e longo prazo.

Todavia um estudo (2) envolvendo o sarm ostarine mostrou que os envolvidos sofreram uma queda de até 43% na testosterona total depois 83 dias de uso.

Outro estudo (3) envolvendo o sarm LGD-4033 mostrou resultados semelhantes.

Na verdade, existem estudos que estão analisando a possibilidade dos sarms serem usados como contraceptivos masculinos (4), por suas habilidades em diminuir a contagem de espermatozoides e testosterona.

Ou seja, sarms aparentam diminuir a produção de testosterona natural, assim como ocorrem com anabolizantes esteroides, e não há muitos estudos a respeito do que mais eles podem causar no organismo.

Mesmo assim, sarms, se mostram uma opção mais segura e que podem gerar menos danos que esteroides.

 

Legalidade para comprar sarms

A venda de sarms não é permitida, mas também não é proibida.

Em outras palavras, a legislação atual não deixa bem definida a situação e permite brechas para que os mesmos sejam vendidos livremente.

Principalmente porque sarms costumam ser vendidos como substâncias experimentais para uso exclusivo em laboratório (e não para uso humano).

Mesmo assim, infelizmente, é apenas uma questão de tempo para que os órgãos vigentes tomem nota disso e comecem a agir.

Lembre-se que vivemos no país que um dia proibiu a creatina.

Palavras finais

Sarms são substâncias que entregam alguns dos benefícios dos esteroides anabolizantes com menos efeitos colaterais.

Apesar de não possuírem a mesma potência, eles com certeza poderão gerar mais ganhos do que opções naturais (como tomar creatina, por exemplo).

Apenas tenha em mente que eles não são a solução definitiva para ganhar quilos e mais quilos de massa muscular, principalmente sem reações adversas.

Isto é importante notar porque a maior parte das informações sobre sarms atualmente vêm de pessoas que, de alguma forma, estão envolvidas com a venda do mesmo.

Portanto leve informações dessas fontes com uma leve dose de ceticismo.

Em resumo, sarms defintivamente funcionam, mas não da maneira que a maioria dos vendedores afirmam ou como as pessoas imaginam.

Referências

  1. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2907129/;
  2. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22031847;
  3. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22459616;
  4. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15347734;

Fonte: hipertrofia